A Secretaria dos Direitos Humanos, Habitação e Assistência Social (Sedhas), por meio do Núcleo da Igualdade Racial, reuniu lideranças e representes da comunidade cigana de Sobral, na segunda-feira (01/10). 

Na ocasião, o coordenador dos Direitos Humanos Chiquinho Silva apresentou o trabalho da Coordenadoria e destacou o compromisso da Prefeitura de Sobral com a luta pelos direitos humanos."Discutimos ainda a importância de valorizar, reconhecer e apoiar as comunidades tradicionais ciganas que existem na cidade de Sobral", disse Chiquinho Silva. A partir do encontro foram encaminhadas as demandas da comunidade e abordadas formas de melhorar o seu acesso às políticas públicas municipais.

A Prefeitura de Sobral realizou, no auditório Plutão do Centro de Convenções, o “I Encontro Intersetorial de Sensibilização pela Primeiríssima Infância”, com o objetivo de aprofundar o debate sobre a importância dos cuidados com a criança, da gestação aos 36 primeiros meses de vida, visando a garantia integral do desenvolvimento humano, social e econômico. O evento foi realizado em parceria com a Fundação Maria Cecília Souto Vidigal.

“Sobral vem fazendo um trabalho muito bonito, junto às crianças, mas nós precisamos nos aprofundar e melhorar bastante. A primeira infância é fundamental, mas para ter profundidade e perenidade, precisamos do apoio do adulto, que vai conseguir desenvolver estímulos necessários para o desenvolvimento da criança. Hoje, esse é um forte desafio para Sobral”, afirma Júlio César, secretário dos Direitos Humanos, Habitação e Assistência Social (Sedhas).

“Essa é uma ação que se propõe a estabelecer como primeira característica a interrelação de parceria e implementação de uma nova política pública do município de Sobral. Essa iniciativa foi concebida a partir de uma experiência que nosso prefeito teve a oportunidade de vivenciar em uma imersão no curso a convite da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal”, disse Herbert Lima, secretário da Educação.

“Nós sabemos que temos a melhor educação do Brasil e também temos o orgulho de dizer que hoje, Sobral tem a menor taxa de mortalidade infantil do Norte, Nordeste e Centro-Oeste do país. Ainda temos grandes desafios e estamos trabalhando em ações para melhorar nosso quadro”, afirma Christianne Coelho, vice-prefeita.

Com articulação do gabinete da Vice-Prefeitura, participaram do encontro técnicos, gerentes, coordenadores das secretarias da Educação, da Saúde, dos Direitos Humanos, Habitação e Assistência Social e da Cultura, Juventude Esporte e Lazer, além de profissionais da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) e da Escola de Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia.

Estiveram presentes ainda Dr. Gerardo Cristino, secretário da Saúde; Emídio Silva, articulador do Celo Unicef; Drª Beatriz, gerente de conhecimento aplicado da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal; Dr. Marcos Davi, consultor do Instituto Primeiros Anos; e Drª Juliana, coordenadora do Comitê de Mortalidade Materna e Infantil do Município de Sobral.

A Prefeitura de Sobral, por meio da Secretaria dos Direitos Humanos, Habitação e Assistência Social (Sedhas), através da Coordenadoria dos Direitos Humanos e Instituições de Ensino Superior de Sobral, realizaram, nesta quarta-feira (26/09), no auditório central da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA - Campus Betânia), o I Colóquio Institucional de Extensão Universitária, Educação Superior e Direitos Humanos. 

Docentes e alunos das instituições, servidores públicos e membros de movimentos sociais prestigiaram o colóquio que discutiu o tema "A formação profissional para atuação em Direitos Humanos e políticas públicas".

"Nós constituímos, há três meses, este GT [grupo de trabalho], com várias universidades públicas e privadas. O GT foi planejado pela Coordenadoria dos Direitos Humanos como uma estratégia para pensar uma ação de extensão em direitos humanos, para juntar produção da ciência com o que é vivenciado nos territórios", afirmou Francisco Silva, coordenador dos Direitos Humanos da Sedhas.

Durante o evento, foi lida uma carta que oficializa a criação do Grupo de Trabalho sobre Direitos Humanos, Ensino Superior e Extensão Universitária. Representantes das instituições de Ensino Superior assinaram o termo.

Fizeram parte da iniciativa a Universidade Federal do Ceará (UFC - Sobral), a Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), o Centro Universitário Inta (Uninta), a Faculdade Luciano Feijão, a Universidade do Norte do Paraná (Unopar), a Universidade Pitágoras, a Faculdade Alencarina (FAL), além do Projeto Travessias (UFC) e Liga Acadêmica dos Direitos Humanos (LADH/UVA).

O processo pré-Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente inicia-se a partir da próxima terça-feira (02/10). 

Confira a agenda:

02/10 - 18h - SAFS (Dom José)

03/10 - 13h - CSTI Maria Dias Ibiapina (Cohab 3)

09/10 - 18h - Estação da Juventude Pe. Albani (Cohab 1)

11/10 - 8h - Centro Socioeducativo Dr. Zequinha Parente

18/10 - 14h - Cras Regina Justa

A Secretaria dos Direitos Humanos, Habitação e Assistência Social (Sedhas), por meio da Coordenadoria dos Direitos Humanos, do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência (CMDPD) e da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), realizou, nesta quarta-feira (26/09), no Centro de Ciências da Saúde (CCS), o seminário "Produção Acadêmica sobre Acessibilidade e Inclusão da Pessoa com Deficiência", que compôs a “X Semana da Pessoa com Deficiência de Sobral”.

A mesa teve como coordenadora Cristina Nunes, presidente do CMDPD, e Herbert Lima, secretário da Educação de Sobral, como debatedor. Na ocasião, foram apresentadas quatro pesquisas que traziam como foco a inclusão no mercado de trabalho, acessibilidade e inclusão no Ensino Superior, efetivação de políticas públicas e ações de extensão universitária no atendimento às pessoas com deficiência.

Cristina Nunes falou sobre as pesquisas, destacando aspectos da inclusão no mercado de trabalho e na universidade. "Na nossa Lei Brasileira de Inclusão, está colocado no art. 4º o direito à educação e a nossa própria Constituição Federal garante. Já nos art. 34º e 35º, a LDI garante a inclusão no mercado de trabalho", afirma. Cristina destacou ainda a Lei 8213/1991, que criou as cotas para pessoas com deficiência nas empresas.