A Prefeitura de Sobral, por meio da Secretaria dos Direitos Humanos, Habitação e Assistência Social (Sedhas), participou, nesta quarta-feira (22/05), em Fortaleza, do Encontro Técnico para Adesão à Estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa (Ebapi). O evento é promovido pela Secretaria de Proteção Social, Justiça, Mulheres e Direitos Humanos (SPS).

"Com a Ebapi, Sobral vai potencializar as políticas para a pessoa idosa, pois a adesão nos exige a realização de diagnóstico e plano municipal para institucionalizarmos as políticas para o público", afirma Marcos Araújo, articulador dos conselhos municipais da Sedhas.

A Comissão Especial do Processo Seletivo 001/2019, da Secretaria dos Direitos Humanos, Habitação e Assistência Social (Sedhas), entregou, nesta terça-feira (21/05), parte dos alimentos arrecadados com as inscrições para a Casa Bom Samaritano. A instituição é ligada à Comunidade Vicentina, que cuida de pessoas com deficiência e idosas sem amparo familiar.

A outra parte dos alimentos será destinada às unidades da Sedhas (Centros de Referência da Assistência Social, Centro Pop, Acolhimento Infantil e Acolhimento Adulto para Pessoas em Situação de Rua), para atender as demandas dos serviços e projetos sociais.

Ao todo, foram arrecadados 2.300 quilos de alimentos não perecíveis. A decisão foi publicada no Diário Oficial do Município nº 545.

Diário Oficial AQUI

A Prefeitura de Sobral, por meio da Secretaria dos Direitos Humanos, Habitação e Assistência Social (Sedhas), realizou, nesta quarta-feira (15/05), no Centro de Formação Humana Padre Ibiapina (Ceprohpi), no Sumaré, a reunião ordinária do Fórum Permanente da Igualdade Racial.

Na ocasião, o articulador do Selo Unicef no município, Emídio Silva, fez uma exposição sobre as metas e os resultados sistêmicos para que Sobral seja premiado com a edição do Selo 2017/2020. O objetivo principal da reunião foi iniciar um processo de sensibilização e planejamento para a campanha “Por uma infância sem racismo” e traçar estratégias para a construção do Plano Local de Ação pelo Fim do Racismo. Como encaminhamentos, foram constituídos dois grupos de trabalhos, sendo um para o planejamento da campanha e outro grupo para discutir a elaboração do Plano Municipal da Igualdade Racial de Sobral.

"Nesse sentido é muito importante que toda a sociedade sobralense, gestores e lideranças se engajem para assim proteger nossas crianças de toda e qualquer forma de discriminação racial e possamos dar um importante passo na construção de uma política pública municipal voltada, especificamente, para uma população historicamente discriminada. Tanto o Plano da Igualdade Racial como a campanha Por uma infância sem Racismo pretendem fazer um alerta e mobilizar a sociedade sobre os impactos do racismo, da discriminação e da necessidade de se assegurar o respeito e a igualdade étnico-racial de todos os cidadãos, em especial de nossas crianças e adolescentes", afirma Chiquinho Silva, coordenador dos Direitos Humanos.

A reunião do fórum contou com a presença de gestores públicos, técnicos das secretarias dos Direitos Humanos, Habitação e Assistência Social (Sedhas) e Saúde; lideranças comunitárias; representações dos Povos de Terreiros; comunidades tradicionais (povos ciganos e Instituto Cigano do Brasil, comunidade quilombola de Patriarca); e estudantes universitários.

A Prefeitura de Sobral, por meio da Secretaria dos Direitos Humanos, Habitação e Assistência Social (Sedhas), realiza, de 20 a 25 de maio, a I Semana dos Povos Ciganos de Sobral. O evento é uma parceria com o Instituto Cigano do Brasil, Instituto ECOA e Secretaria da Cultura, Juventude, Esporte e Lazer (Secjel).

Com o tema “Orgulho de ser cigano, um encanto milenar de povos proféticos com olhar ardente”, a semana tem como objetivo refletir e sensibilizar a sociedade sobralense sobre os preconceitos vivenciados historicamente pelos povos ciganos. Visa ainda dar visibilidade às suas tradições culturais milenares e exercitar o olhar para as comunidades tradicionais como construtoras da cultura local. Em Sobral, a comunidade cigana se concentra no bairro Sumaré e no distrito de Jaibaras, especificamente na comunidade de Jaburuna.

A semana também pretende dar destaque ao Dia Municipal do Cigano, comemorado no dia 24 de maio. A homenagem foi criada por força da Lei Municipal nº 1628/2017, sancionada pelo prefeito Ivo Gomes. Durante o período, serão realizadas diversas ações voltadas para a comunidade cigana e para o público em geral: mesa redonda, dia de cidadania para os povos ciganos, atividades nos Centros de Referência da Assistência Social (Cras) e Centros de Saúde da Família (CSF's), dentre outras.

"As comunidades e povos Ciganos estão lutando por seus direitos e inclusão nas políticas públicas, por isso precisamos respeitar esta reivindicação e olhar para estes munícipes como sujeitos de direitos à educação básica, saúde, ao mercado de trabalho, ao esporte, lazer e a cultura, haja vista sua riqueza tradicional, seus rituais, músicas, vestimentas, simbologias, valores e modos de vida. Como se refere o poeta francês Charles Baudelaire, quando diz que os povos ciganos são como uma 'tribo profética com olhar ardente' e que têm muito a contribuir com o desenvolvimento sociopolítico e cultural de nossa cidade", afirma Chiquinho Silva, coordenador dos Direitos Humanos.

Servidoras da Unidade de Gerenciamento de Projetos de Prevenção de Violência (UGPPV) da Secretaria dos Direitos Humanos, Habitação e Assistência Social (Sedhas), facilitaram, na última terça-feira (06/05), uma formação na plataforma Ensina Brasil, organização sem fins lucrativos que visa mobilizar talentos e desenvolver lideranças para transformar a educação, a partir da sala de aula.

Na ocasião, a equipe compartilhou as metodologias utilizadas pela UGPPV, em articulação com outras políticas públicas, para garantir direitos às juventudes com direitos violados ou negados. As facilitadoras também indicaram desafios para a rede escolar, foco principal do Ensina Brasil, trazendo recomendações para potencializar os esforços no cuidado e desenvolvimento de autonomia dos estudantes e da comunidade.

"Foi uma oportunidade muito rica compartilhar a experiência de Sobral com a rede do Ensina Brasil e aprender com as interações dos participantes", afirma Letícia Menoíta, coordenadora de Informação e Formação para Prevenção da Violência/UGPPV.